3 de setembro de 2010

Pessoas que ficaram ricas e acabaram perdendo tudo

 

Esta são histórias de pessoas ganharam na loteria, ficaram milionários, mas não souberam usar o dinheiro e acabaram ficando pobre de novo.

Nos anos 70, os valores eram milionários. O comerciante capixaba Mário Alberto Ronconi, por exemplo, ganhou 14 milhões de cruzeiros em novembro de 1972. Se fosse hoje, Ronconi teria faturado a bagatela de R$ 20,4 milhões.
 
“Nos anos 70, tínhamos apenas uma modalidade de loteria. Atualmente, são oito tipos de jogos e é natural que haja uma redistribuição de apostas, diminuindo o valor dos prêmios”, avalia Lopes. Na cola da Loteca, está, entre outros tipos de jogos, a Mega Sena, na qual o jogador é obrigado a acertar seis números números num total de 60.



No último concurso, do dia 20, o valor do prêmio máximo chegou a R$ 3,2 milhões. Não houve ganhadores.

O grau de probabilidade de acertar qualquer jogo de loteria parece ser inversamente proporcional à forma de gastar o dinheiro adquirido num sorteio - pelo menos nos anos 70. 

O Estado conseguiu localizar seis dos maiores ganhadores da Loteria daqueles anos. 

Destes, apenas dois conseguiram manter a riqueza ou um padrão de vida de classe média. É o caso do boiadeiro Miron Vieira de Souza, de Goiás, que faturou, sozinho, 22 milhões de cruzeiros em setembro de 1975 (hoje cerca de R$ 16 milhões).

Sua primeira providência foi comprar uma dentadura. Adquiriu terras e bois e hoje vive como fazendeiro em Iporá, a 220 quilômetros de Goiânia. “Ajudei muita gente, minha 
família, amigos, pessoas estranhas”, conta Miron, hoje com 64 anos. Segundo ele, o que segurou seu dinheiro foram as terras. “Foi meu melhor investimento”, acredita.

De lá pra cá, o ex-boiadeiro ainda ganhou quatro vezes na loteria, mas todos os prêmios foram baixos. “A última vez foi na Copa de 1998. Ganhei uns 6 mil reais. Deu para comprar dez bezerros”, lembra.

Assim como o goiano Miron, o comerciante Mário Ronconi, de Santa Tereza (ES), também conseguiu manter o dinheiro que ganhou em novembro de 1972. Os 14,1 milhões de cruzeiros (R$ 20,4 milhões) que recebeu na Loteria, Ronconi teve de dividir com mais 18 amigos, com quem havia feito um bolão. “Peguei o dinheiro e botei num fundo de investimento, no qual só pude resgatar seis meses depois da aplicação. O resultado foi que a inflação comeu metade do prêmio que eu tinha ganho”, lembra Ronconi, que na época tinha 22 anos.

Posto - Com o dinheiro na mão, o comerciante entrou numa sociedade em uma rede de supermercados. Seis meses depois, nova decepção. “Sai da sociedade e acabei comprando um posto, que tenho até hoje.

Atualmente, posso dizer que vivo bem financeiramente”, diz.

Mesma sorte não tiveram o despachante Eduardo Varela, o agricultor Antônio Donizeti, e o maquinista Jovino Viriato do Carmo e o baiano Francisco Portela. Os quatro acertaram os 13 pontos, ficaram ricos da noite para o dia, mas também perderam tudo. Varela, o Dudu da Loteca, ganhou em abril de 1972 cerca de 11,6 milhões de cruzeiros (R$ 18,2 milhões). Comprou casas, apartamentos - um deles na Avenida Vieira Souto, em Ipanema, um dos endereços mais caros do País. Aos 23 anos, inexperiente, investiu em dois hotéis em 

Campos de Jordão (SP), que acabaram falindo.
“Ele não ficou pobre com essa falência, mas sim com a separação da mulher, que veio logo depois”, conta o advogado Hélio da Silva Nunes, que trabalhou para Varela no processo de falência. Segundo Nunes, o despachante colocou quase todos os imóveis, inclusive o da Vieira Souto, no nome do sogro. “Com a separação, ele perdeu tudo. Só ficou com duas salas no centro do Rio e um imóvel em Itaipava (região serrana do Rio)”, lembra o advogado, que viu Dudu da Loteca pela última vez há cinco anos. Na época, o ex-milionário trabalhava como funcionário de uma corretora de valores, no Rio.

Cartas - A história do agricultor Antônio Donizeti é parecida. Em julho de 1977, ele acertou na Loteria, faturando 16,1 milhões de cruzeiros (R$ 6,3 milhões). “O dinheiro foi embora em três anos. Gastei quase tudo com rapariga”, lembra Donizeti, que na época tinha 19 anos. “Recebi carta de mulheres do Brasil inteiro, querendo se casar comigo. Até hoje tem gente que me deve”, afirma Donizeti, que nunca saiu da pequena Araçuaí, no Vale do Jequitinhonha, uma das regiões mais pobres de Minas Gerais. Hoje, ele tem um pequeno sítio, onde cultiva feijão e milho.

“Tiro uns R$ 500 por mês. Dá para viver”, conta.

O terceiro sortudo que acabou na miséria foi o maquinista Jovino Viriato do Carmos. Em agosto de 1970, ganhou 2,9 milhões (R$ 5,4 milhões). Jovino comprou uma fazenda em Vassouras, no Médio Paraíba fluminense. Com os anos, teve de vender a fazenda, para pagar dívidas e cuidar do filho, viciado em drogas. Morreu há oito anos.

A história do baiano Francisco Portela também teve final triste. Em abril de 74, ele recebeu da Loteria 14,7 milhões de cruzeiros (R$ 15,9 milhões). Na época, aplicou na construção imobiliária em Salvador. Assim como Dudu da Loteca, Portela faliu. Hoje, ele vive nos Estados Unidos, onde trabalha como funcionário em um escritório de contabilidade. “Assim como veio fácil, foi embora fácil”, define o agricultor Donizeti. Como no velho samba de Paulinho da Viola, "dinheiro na mão é vendaval".

Comente com o Facebook:

Write comentários
  1. Eu colocaria tudo na poupança, renda garantida pelo resto da vida

    ResponderExcluir
  2. Anônimo29/1/11

    Nossa essa gente que gastou tudo em pouco tempo é por que não tem amor ao que tem!

    ResponderExcluir
  3. Anônimo24/2/11

    e os fomosos pobres burros e tapados q nasceram pobres e vão morrer pobre deixar uma fortuna dessas escapar (tem e q pastar mesmo) ex se vc gastar 20 mil por mes no ano são 240 mil e em 20 anos são quase 5 milhoes fora o juros e consegue viver muito bem isso e bem menos do que esses tapados ganharam

    ResponderExcluir
  4. meu deus mim da uma chanse dessa

    ResponderExcluir
  5. Anônimo24/3/11

    a humildade e o caminuo do sucesso

    ResponderExcluir
  6. Anônimo8/4/11

    Ah o negócio é consumir tudo mesmo e se voce ficar pobre é porque não tinha tanta sorte assim. kkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  7. Anônimo13/4/11

    Eu primeiro de tudo deixaria o dinheiro em uma aplicaçao CDB e com o juros ajudaria as pessoas e depois com os mesmos juros compraria um posto de gasolina todo mes e essa a minha ideia temos que gastar o juros e nao o dinheiro que ganhou seja inteligente gando DEUS der essa SORTE a vc faça cursos de administraçao p/ aprender a lidar com o dinheiro e que DEUS o ABENÇOI AMEN.

    ResponderExcluir
  8. Anônimo30/5/11

    eu torraria tudo com prostituta valeu!!!!!!!!!!!.

    ResponderExcluir
  9. Anônimo7/7/11

    As pessoas falam que se ganhar na loteria a primeira coisa que faria é ajudar as pessoas, mas isso é tolice, porque quando uma pessoa fica rica não pensaa nem na familia direito.elas querem é somente divertir torrar ou seja gastar o dinheiro e não ta nem ai se o dinheiro pode acabar rapido...o que elas querem é divertir por isso antes mesmo de falar uma coisa pensa bastante para ver se é isso mesmo.OK!

    ResponderExcluir
  10. Anônimo10/10/11

    eles n sabem castar menos assim vao morrer pobre

    ResponderExcluir
  11. Anônimo7/12/11

    Toda mulher é mercenaria ,quando vc ta rico , ela te ama . quando vc fica pobre , ela te deixa e leva tudo o q sobrou!!!!

    ResponderExcluir